TST: Tribunal faz proposta de acordo entre controladores de voo e Nav Brasil

0
155


A proposta foi apresentada pelo ministro Mauricio Godinho Delgado em audiência nesta sexta-feira (13)





Ministro Mauricio Godinho Delgado na audiência de conciliação entre a Nav Brasil e o sindicato da categoria





13/10/23 – O ministro Mauricio Godinho Delgado, do Tribunal Superior do Trabalho, conduziu, nesta sexta-feira (13), a audiência de conciliação que resultou em acordo entre a Nav Brasil Navegação Aérea S.A. e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores na Proteção ao Voo (SNTPV). A proposta prevê reajuste de 4,83% sobre o salário, retroativo a maio deste ano, além de dois abonos lineares de R$ 1.500 a serem pagos em outubro deste ano e em maio de 2024.

A Nav Brasil foi criada a partir da cisão parcial da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e presta serviços de controle de tráfego aéreo, meteorologia aeronáutica, informações aeronáuticas e telecomunicações aeronáuticas. 

A categoria havia anunciado uma paralisação para a última segunda-feira, e o ministro deferiu liminar fixar percentuais de manutenção de serviços. Os trabalhadores decidiram então suspender a greve e negociar com a empresa, com a mediação do TST. A pauta de reivindicações prevê recomposição salarial, melhorias no auxílio-saúde, adicionais que valorizem adequadamente as carreiras e os concursos públicos para as áreas administrativas e operacionais.

Na audiência de hoje, o relator, levando em consideração as ponderações trazidas pelos representantes da empresa e dos trabalhadores, apresentou a seguinte proposta:

Reajuste

O reajuste proposto é de 4,83% sobre o salário a partir de 1º de maio de 2023, com pagamento das diferenças retroativas até novembro em folha suplementar. O percentual incidirá sobre as parcelas salariais e demais benefícios (auxílio-alimentação, combustível, creche etc.).

Em maio de 2024, a proposta prevê novo reajuste salarial, correspondente à variação do INPC e acréscimo de 1%, também incidente sobre as parcelas salariais e demais benefícios.

Abonos

A proposta também prevê dois abonos lineares de R$ 1.500 em outubro (com pagamento em novembro em folha suplementar) e em maio de 2024 (a ser pago na folha normal).

Plano de saúde

De acordo com a proposta, o plano de saúde sofreria reajuste de 15% retroativo a maio, com pagamento das diferenças em folha de pagamento especial em novembro. Para o mês de maio de 2024, o reajuste corresponderá à variação do INPC mais 1%.

Plano de carreira

Ficou assentado o compromisso da empresa de estruturar um plano de cargos e salários específico para a Nav Brasil até 30 de abril de 2024, mediante comissão paritária, com participação de representantes titulares e suplentes dos trabalhadores indicados pelo sindicato. O plano deve buscar sanar distorções atualmente existentes no sistema organizacional, funcional e salarial da empresa, contemplando tempo de serviço e mérito.

Concurso público

Com a aprovação do PCS até abril de 2024, a empresa se compromete a iniciar procedimentos para realização de concurso público para admissão de novos empregados, de maneira a suprir as deficiências de pessoal existentes, sem prejuízo dos procedimentos para a migração de carreiras no âmbito da administração pública federal.

Parâmetro mais benéfico

Na audiência, foi registrada a possibilidade de alcançar parâmetro de reajuste mais favorável do que o previsto no acordo para o plano de saúde, mediante o diálogo coletivo. 

Escalas

A empresa também se comprometeu a examinar com celeridade as negociações próprias e específicas internas relativas às escalas de trabalho e a manter as escalas previstas até 31 de outubro.

Assembleias

A proposta será levada pelos representantes dos trabalhadores às respectivas assembleias para manifestação final, e a resposta deve ser comunicada ao TST até a próxima sexta-feira (20). 

A empresa, por sua vez, já manifestou sua aprovação da proposta, que será submetida ao seu Conselho de Administração e à Secretaria de Coordenação das Estatais (Sest) do Ministério da Economia.

Solução equânime

Ao encerrar a audiência, o ministro Mauricio Godinho cumprimentou a empresa e o sindicato por sua seriedade e seu compromisso na busca de uma solução equânime para as negociações.

(Carmem Feijó)
 

$(‘#lightbox-nklb_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var nklb_autoplaying=false;
var nklb_showingLightbox=false;
const nklb_playPauseControllers=”#slider-nklb_-playpause, #slider-nklb_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-nklb_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: nklb_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
”,
nextArrow:
”,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
]
});
$(“#slider-nklb_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});


Com informações da assessoria de imprensa do TST.

Fonte

MH Cálculos - Fale com um Especialista
MH Cálculos - Fale com um Especialista

DEIXAR UMA RESPOTA

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui